12 dezembro 2014

LÚCIFER ERA MESMO MÚSICO E MAESTRO NO CÉU ? O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE ISSO ?


       Ouvimos e até aprendemos com muitos pregadores e agora os chamados "conferencistas" que satanás era maestro do grande coral celestial e por isso ele odeia tanto o louvor na igreja, será verdadeira esta afirmação ? Vejamos as argumentações contra e a favor desta afirmação. 

        Certa vez ouvi um pregador afirmar que tanto Lúcifer quanto Jesus eram líderes de corais no céu e como lúcifer teria se rebelado e Jesus se mantido fiél ao Pai, Jesus seria o único capaz de vencer lúcifer e morrer na cruz. (ABSURDO)

ARGUMENTAÇÃO CONTRA:

Alguns textos bíblicos são usados para provar a idéia de que Satanás era músico; veja Ezequiel 28,13-15:

          “Estiveste no Éden, jardim de Deus; cobrias-te de toda pedra preciosa: a cornalina, o topázio, o ônix, a crisólita, o berilo, o jaspe, a safira, a granada, a esmeralda e o ouro. Em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Eu te coloquei com o querubim da guarda; estiveste sobre o monte santo de Deus; andaste no meio das pedras afogueadas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que em ti se achou iniqüidade.”

              A passagem acima literalmente faz parte de um juízo proferido sobre o rei de Tiro, portanto, a intenção original de Ezequiel não é tratar de Lúcifer em seu estado não caído e por isso, precisamos respeitar o contexto.

            Mesmo que haja certos paralelos entre a altivez do rei de Tiro e Lúcifer, a linguagem não trata deles de forma literal. Por exemplo, porque o texto trata de instrumentos musicais, alguns concluem que isso se refere ao dom musical de Lúcifer no céu, enquanto outros até vêem aí uma prova de que havia “tambores” no céu. Mas a linguagem aqui é poética, simbólica e metafórica e o hebraico é de difícil tradução e inconclusivo ao falar de instrumentos, é necessária a cautela.

          Podemos, no entanto, aplicar os princípios da queda do rei de Tiro como símbolo da queda de Lúcifer, já que há alguns paralelos óbvios, tais como “eras o selo da perfeição, cheio de sabedoria e perfeito em formosura” (v. 12).

            Mas ao mesmo tempo em que há paralelos, há também disparidades entre os dois personagens que nos impedem de criar um paralelo literal entre cada elemento do texto de Ezequiel com Lúcifer.

           Assim, tentar tonar literal a passagem de Ezequiel nos traz dificuldades já que se Lúcifer era músico e tocava “tambores e pífaros” (v. 13) no céu, então ele também era coberto de joias preciosas literalmente, se engajou em “comércio” lá (v. 16, 18), profanou os seus próprios “santuários” (v. 18) e Deus o expulsou em direção à “terra” (que supostamente ainda não havia sido criada!) e o expôs perante “reis” (v. 16, 17). Se isso foi literal fica a pergunta: se existiam apenas Adão e Eva, quem são esses reis ? Haveria um comércio no céu ? De quem, com quem e para quem ?

O disparate exegético deveria ser óbvio.

        Concluir, portanto, que Lúcifer era regente do coro celestial ou até mesmo músico com base nos instrumentos citados na passagem de Ezequiel é forçar o texto bíblico. Isso não quer dizer necessariamente que Lúcifer não era músico no céu, a Bíblia contém muitas cenas de louvor oferecido pelos anjos a Deus. Mas querer precisar que função Lúcifer tinha no céu é ir além da revelação.

          O outro texto utilizado por quem quer dar fundamentação bíblica a esta tese é Jó 38,4-7, que mostra que fala do “coro celestial”:  “Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? ... quando juntas cantavam as estrelas da manhã, e todos os filhos de Deus bradavam de júbilo?”
         O texto pode estar se referindo a um coro de anjos cantando nas eras sem fim da eternidade, mas não trata de Lúcifer em específico. Acima de tudo, assim como Ezequiel, o texto de Jó é poético e simbólico.

         Nada contra a priori com a ideia de que Lúcifer possa ter sido "regente do coro celestial", assim como não teria problema com a ideia de que ele possa ter sido compositor, pintor, escultor ou mesmo arquiteto das cortes celestiais.

O problema é ter base escriturística literal para fundamentar tais afirmações.

          Satanás era "regente" do coro celeste, a ideia de que Lúcifer tinha esse função específica também esbarra em problemas lógicos.

1)- O primeiro deles é o tamanho do coro celeste; se houvesse mesmo a necessidade de um regente, deveria haver milhares de sub-regentes para um coro de milhares, milhões ou bilhões de anjos, como ocorre com grandes corais aqui. Pois os anjos não são onipresentes. 

2)- O segundo problema é que a necessidade de um regente nos moldes de um diretor de coral terrestre fere o conceito bíblico de que os anjos são perfeitos em todos os sentidos e superiores ao homem (Salmo 8:5; Heb 2:7). Por quê? Anjos perfeitos em poder não devem necessitar de um regente que indique o compasso, mudanças de dinâmica, cadência, se é que a música celeste sequer pode ser descrita nos moldes terrestres!

3)- Nem mesmo deve ser necessário que alguém lhes dê a “primeira nota” nos padrões de um regente terrestre, como se os anjos precisassem disso para se manterem no tom. Existem seres humanos que possuem o que chamamos de “ouvido absoluto”, ou seja, não precisam que ninguém lhes toque ao piano ou sopre num diapasão um Dó ou Fá, eles ouvem a nota automaticamente em seu ouvido e cantam no tom. Quanto mais os anjos que foram criados de forma superior ao homem! E até mesmo em nossa esfera decaída, há muito coral profissional por aí que não necessita de regente. Creio que deu para entender os problemas com uma leitura rígida da passagem em questão.

            Se Lúcifer era ou não "regente do coro celestial" é irrelevante, já que ele não caiu de sua elevada posição por rebelião ao governo de Deus em questões musicais.

         Assim, devemos ler a passagem sobre Lúcifer e o coro celeste mais por sua força retórica sobre a exaltação e subsequente queda de Lúcifer, e não como uma declaração de qual função musical ele exercia no céu ou como é realizada a música celeste.  Cabe aqui também uma palavra de exortação:

       Infelizmente, a intenção de muitos que usam a passagem de Satanás como suposto “regente do coro celeste” é quase sempre demonizar (literalmente) a música sacra ou profana contemporânea. Ouvem-se afirmações do tipo “Satanás é músico, temos que ter cuidado com avanços na música.” Assim, cria-se um espantalho ao redor da música e estilos musicais os quais não nos identificamos para coibir, oprimir e ostracizar músicos. Os músicos ficam restritos e sem liberdade para trabalhar estilos musicais porque sempre correm o risco de se tornar culpados por associação com Lúcifer. 

          Com certeza Satanás deve ter um vasto conhecimento da música celeste e bem como da terrestre, mas ele não foi originador da música, Deus SIM é. Não entreguemos a Satanás algo que pertence a Deus, o dom da música, e não façamos os músicos da Igreja culpados por associação porque um suposto “regente do coro celeste” caiu em rebelião.

         Com estes nossos pré julgamentos baseados em gostos e preferências pessoais caímos em extremos na questão da música sacra, julgando a intenção dos nossos irmãos músicos, impondo nossas ideias pessoais do que Deus aceita ou não ("Se eu não gosto deste estilo, Deus não gosta também"), criticando e condenando.

ARGUMENTO FAVORÁVEL:

Ezequiel 28 nos diz sobre Lucifer (heilel ben-shachar em hebraico) que:

          Ele pertence a ordem dos Querubins, e "a obra dos teus tambores e de teus pífaros estava em ti: no dia em que foste criado foram preparados."  Lúcifer era um músico mestre. Ele deveria usar este dom para a glória de Deus, mas quando se rebelou contra o Senhor e teve que ser expulso do Céu ele prostituiu este dom e começou a usá-lo para o mal ao invés do bem.

        A palavra “da guarda”, em Ezequiel 28,14-16, significa literalmente “quem conduz”, visto que, antes da queda de Lúcifer não havia inimigos e nem nada para ser guardado.Ou seja ,ele conduzia a adoração a Deus o que leva a pré-supor que como aferidor de medida ele era o líder em adoração,o querubim mais próximo da perfeição e do amor de Deus.

        O texto bíblico ainda comenta sobre “a obra dos tambores e pífaros”. Sua influência na área da música fica clara e nos mostra que Lúcifer era, provavelmente, quem conduzia a orquestra celestial.

          Podemos afirmar que de música o diabo entende muito e soube, por algum tempo, como agradar o Senhor com seus louvores. O louvor e a adoração têm que ser prestado com o devido respeito ao Senhor lembre-se dos Serafins (Is.6). Havia postura, reverência e temor naquela adoração e se os anjos preocuparam-se com isso.

“Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de DEUS, no brilho das pedras andavas”.

         DEUS o designou como Querubim Ungido da guarda. Aqui precisamos considerar três coisas:

1º.O ser “ungido”, significava que ele era escolhido para um propósito especial;

2º.Enquanto “querubim” parece ser a patente mais elevada dos seres celestiais que assentam mais próximo do trono de DEUS e conduzem a adoração.

3º.A expressão “da guarda” no hebraico fala de “cercar”, “proteger”, “cobrir”. Parece que a idéia que temos é que ele regia a adoração dos seus subordinados diante de DEUS.

      As referências não são muito claras pois são contextuais. Estudando porém, as traduções do hebraico e um pouco de teologia (exegética),podemos chegar a essas conclusões de maneira mais profundas e claras.

Em Cristo,
Pr Ivair J. Lehm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EM DEFESA DA PALAVRA DE DEUS

EM DEFESA DA PALAVRA DE DEUS

NOTÍCIAS CRISTÃS

VOCÊ PODERÁ GOSTAR TAMBÉM:

OUTRAS MENSAGENS INTERESSANTES